Gravidez-pais-filhos · Pensamentos soltos · Relações humanas

Embaraços

Tenho que o dizer!

Declaro-me surpreendida com a atenção com que a “pessoa da grávida” é tratada por terceiros!

Situação 1:

Metro “à pinha”. Um sujeito atento volume do meu vestido, oferece-me o lugar que tinha vazado há segundos e que ele próprio cobiçava. Uma outra sujeita antecipa-se e dirige-se para o desejado assento. Antes que a mesma possa sequer fletir os joelhos e ensaiar o movimento de agachamento, o sujeito agarra a sujeita pelo braço: “ Não está a ver a menina?”

Quase coro, embaraçada. (Curioso que a palavra espanhola para “grávida” seja precisamente “embarazada”…)

Situação 2:

Entrada no parque de estacionamento do colombo. A máquina decide presentear-me não com um, mas com uma boa meia dúzia de bilhetes. “Bom, à saída, algum deve dar…”. Pois à saída nenhum dá. “Bilhete ilegível” em todos eles! Dirijo-me ao balcão de atendimento ao cliente, esperando resolver rápida e eficazmente o incidente e, já agora, fazendo fé que não irão fazer-me pagar o tempo máximo de permanência.

_ “Há quanto tempo está no centro?”, pergunta quem está atrás do balcão.

_ “Não sei precisar. Talvez há três horas, mais coisa menos coisa…”

_ “Não está de certeza no centro há mais do que uma hora, POIS NÃO?!”.

Regista então o bilhete com o tempo mínimo de permanência, despedindo-se com rasgado sorriso e desejando as maiores felicidades…

Estas e outras situações (falei de outras aqui) não apenas me surpreendem, como, de alguma maneira, me enternecem.

É como se a grávida adquirisse um estatuto que se basta a si mesmo. Antes de ser pessoa, mulher, cliente ou utente, é “grávida”. Está a gerar vida e isso merece o respeito e, por vezes, a contemplação dos demais!..

Recebo há dias um “ralhete” do segurança de um conhecido hipermercado por, imagine-se, NÃO estar na caixa prioritária!…

Agora sim, a caminho das 20 semanas, começo a fazer uso dos lugares de estacionamento pintados de azul e das caixas prioritárias no supermercado.

Aflige-me observar grávidas que se coíbem de utilizar os recursos disponíveis por recearem olhares reprovadores ou acusadores de “chico espertismo”…

Sobre isto, um parênteses importante: Não é egoísmo! Pelo contrário! É que Não é em nós que estamos a pensar!…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s