Uncategorized

Pai, faz!

Das memórias de criança mais vivas que guardo… Contemplar o barbear do meu pai… O verbo é exactamente este. Não participava, limitava-me a assistir, sentada na primeira plateia (entenda-se “bidé”) e deixar-me encantar com todo aquele ritual… Não perdia pitada e, depois de umas quantas performances, até já adivinha os passos… organizados, ritmados, compassados…
Montar o palco; espalhar os adereços; fazer espuma, espalhá-la na cara enquanto se faz caretas; uma mão na torneira que abre e fecha, a outra na gilette que se conduz… Duas ou três batidas no lavatório para sacudir o que a gilette traz com ela…
Agora que elaboro esta memória, corrigo-a: havia manhãs em que o espectáculo era interactivo… Muitas vezes, da plateia, reproduzia com palmas aquelas batidas ritmadas no lavatório.
No final, as palmas eram na cara já lavada com aquele líquido “cheira-bem”. E cheira, ainda hoje!…IMG_20191017_073119_404.jpg

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s