pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · só entre irmãos · Uncategorized

Separar ou não os gémeos?

Separar ou não gémeos na escola?
Já fui confrontada com esta questão as vezes suficientes para escrever sobre ela. Perdoem-me se defraudo algumas expectativas mas “escrever sobre” não significa responder partidariamente. Como se não bastasse, o meu “eu-psicóloga” e o meu “eu-mãe-de-gémeos” são siameses e, portanto, impossibilitadores de responder separadamente.
Os argumentos pró-separação alegam razões como maior individualidade e independência, identidade e autonomia. Os contra-separação debruçam-se sobre questões como angústia de separação, isolamento e ansiedade.
Como em tudo, não há receitas universais e cada par de gémeos deve ser olhado com a especificidade que terá e merecerá.
São gémeos “verdadeiros”? São ambos do mesmo sexo? Há um que claramente domina?
Estas e outras questões deverão ser todas tidas em conta na hora de tomada de decisão.
Não sou apologista da posição de algumas escolas que têm por princípio separar os gémeos, ainda que não seja essa a preferência da família. Questões logísticas à parte (2 professoras, reuniões de pais separadas, turmas e amigos diferentes, o dobro das festas de anos…) as razões motivacionais deverão ser ponderadas com a família.
Nos primeiros anos, não vejo, aliás, razão para que os gémeos sejam separados.
Os pais e próximos de gémeos poderão testemunhar melhor do que ninguém como são diferentes, mesmo nos casos em que não se distinguem ao olho. A personalidade é, sem sombra de dúvida, a característica que permite diferenciá-los com maior clareza.
Pessoalmente, não sinto, até agora, necessidade de separar os meus. São gémeos “falsos”, portanto não confundiveis, ambos (muito!) rapazes e com personalidades (também muito!) diferentes. Nunca senti que, na escola, fossem a entidade “os gémeos” e não “o Artur” e “o Duarte”. Um gosta das letras, o outro dos números e são valorizados pelas competências próprias e não comparados ou confrontados com as do outro. Podem matar-se a disputar os boiões da plasticina no regresso a casa, mas, na escola, não ousam desvanecer do campo de visão contra.
À sua saída, e à minha chegada, sabem muito bem qual dos meus braços é para quem.IMG_20200203_154931_715

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s