pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias

Madrastas e Padrastos

Ninguém sonha ser madrasta ou padrasto, não venham com estórias.
E podemos começar por aí, pelas estórias. Nas estórias, as madrastas são vaidosas, cruéis e cínicas. As madrastas infernizam a vida dos filhos do pai e só descansam quando o vira contra eles. As madrastas só gostam dos próprios filhos, que são em tudo superiores aos filhos/as do pai, convertidos, entretanto em criados, com a condescendência omissa deste.
É difícil ser madrasta. A “namorada do pai”, a “tia” a “(nome próprio).”
É difícil encontrar o equilíbrio entre o ser atenta, mas não intrusiva. 
Entre o ser maternal, mas não “armar-se em mãe”. Entre o “até ser fixe”, mas obrigar a comer os brócolos. 
E ter a visão raio X necessária para ver os sinais de código de conduta das madrastas e dos padrastos. Aqueles que indicam: PROIBIDO entrar por aí; caminho sem saída ou PERIGO de esbarrar com “tu não és minha mãe!” A verdade é que não é. Assim como aquele filho não é o seu. E ainda que diga gostar dele “como se fosse”, a verdade é que não é. 
Mas se é verdade que “uns são filhos, outros enteados”, não é menos verdade que, quando fazem a lista de compras, quando escolhem o destino de férias, quando tratam da febre não há os “meus e os teus”, mas os “nossos”. Era isto que queriam dizer quando fizeram aquele quarto lá em casa.
Já era tempo de as “bruxas” das estórias merecerem outro trato.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s