pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas

Já temos idade para ter juízo!

Surpreende-me a quantidade de vezes que vejo pais que falam dos filhos como se eles não estivessem lá. Não se coíbem de comparecer à consulta exclusiva de pais do psicólogo com a criança pela mão, não adiam a conversa com a vizinha com quem se cruzaram no átrio ou não adiam aquele telefonema.
Pensam mesmo que “ele não está a perceber”? Acreditam, de facto, que “ela não está a ouvir”?
Será por acaso que, enquanto a mãe fala com o pai, com a amiga, com a vizinha, ele ou ela abre um leque de “maus comportamentos”, numa espécie de validação (in)consciente das queixas proferidas?… Pois deixem-me que vos diga que elas, as crianças, têm ouvido tísico, decifram o jargão dos crescidos, traduzem a gíria dos pais e leem nas entrelinhas, por mais que eles (os adultos) falem entredentes. 
E mesmo que eles (os crescidos) até, por vezes, façam um esforço e falem noutra língua, ou usem “palavras difíceis”, elas (as crianças) têm o dicionário de bolso dos sinónimos, interpretam o léxico das emoções e a semântica dos sentidos.
Elas (as crianças) percebem as consoantes vozeadas, as vogais estridentes e as palavras atravessadas mesmo que ainda não tenham idade para saber ler. Já eles (os crescidos) já têm idade para ter juízo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s