pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas

Para não ficar perdido

Há diálogos que nos racham o coração e fendem o discernimento:
“Mãe, para que é que tu tens mamã e papá?” “E tu, para que é que tens mamã e papá?”
_ “Para não ficar perdido!…”
Não falei. A voz ter-me-ia saído tremida numa escala de Richter que abalaria o momento. Aquele em que me divido entre o deleite da prontidão da resposta e a sapiência de não dizer simplesmente: “para não me perder”.
Aquele em que percebo que ele percebe que os pais suficientemente bons não impedem que se perca, mas aqueles que não deixam que fique perdido.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s