Gravidez-pais-filhos · pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias

Quero a mãe!

“Quero a mãe”.
As crianças não falam exatamente a nossa língua. E, por vezes, o melhor é ouvi-la, sem ambicionar integrá-la na nossa gramática rebuscada.
“Quero a mãe”.
A criança que se magoou, que está triste ou que tem medo não pede para a mãe resolver aquele problema, tampouco quer saber se ela tem a resposta ou a solução. 
Ela (só) quer a mãe. É suficiente. E esta suficiência é um superpoder.
Como o é o seu chegar destemido, o pegar-nos ao colo, o apertar-nos com a força certa para conter sem magoar, o olhar e examinar à lupa o dói-dói para depois rematar com o “já passou”. 
A mãe é um ecossistema de afetos e uma das suas principais funções é conter a angústia da criança, dizer-lhe que aquilo se reconstrói para depois ensiná-la a pensar sobre aquilo que sente.  
“Quero a mãe”. Assim se fala…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s