pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · Uncategorized

A lógica deles

A LÓGICA DELES O incremento dos corpos acompanha o crescimento da língua e o vocabulário ganha uma força desarmante guarnecida com uma lógica avassaladora. _ “Queres estas nozes?”, pergunto-lhe. _”Não, só esta NÓ!” Desato num riso incontido, refreado pelo olhar desconcertado e desentendido e um franzir de sobrancelha interrogativo. E os preliminares da minha correção… Continue reading A lógica deles

Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · Uncategorized

ninguém é de ninguém

Se é verdade que as pessoas não pertencem umas às outras e que “ninguém é de ninguém, mesmo quando se ama alguém” é também verdade que, quando se ama, pertencemos um bocadinho ao outro. Não é um sentimento de pertença, castrador, mas, pelo contrário, um sentimento acolhedor, a atirar para o quentinho. Falo daquele sentimento… Continue reading ninguém é de ninguém

pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · Uncategorized

Filhos como nós

Nunca quis que os meus filhos que se parecessem comigo. Nunca aspirei a que se parecessem com aquilo que eu sou, ou melhor (ou pior!), com aquilo que eu não sou, por nunca ter chegado a ser. A diferença de género pode ter ajudado a não projetar neles os meus sonhos não concretizados ou intenções… Continue reading Filhos como nós

pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · Uncategorized

Hoje tiveste pesadelos

Hoje tiveste pesadelos. Acordaste antes do dia, encharcado em suor e a esbravejar por amparo. Peguei-te ao colo e, ato contínuo, tombaste a cabeça no meu peito. Segredaste-me (bem baixinho, não fosse o opoente das disputas territoriais despertar) que querias ir para a minha cama. Foste. E depressa sucumbiste ao quebranto. A tua respiração compassada… Continue reading Hoje tiveste pesadelos

pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · só entre irmãos · Uncategorized

O meu irmão

Ele veste a camisola amarrotada porque tábua, só a rasa, de vivências e de estórias narráveis em jeito de prosa. Tem dias que também a que leva debaixo do braço para se fazer às ondas, que não teme, mas respeita. Ele mostra-lhe que não é o ter medo que nos torna mais fracos, mas desafiá-lo… Continue reading O meu irmão