Escapadelas e experiências · pais e filhos · Pensamentos soltos · Relações humanas · Uncategorized

Pés pretos

Ainda hoje revejo a cor em que, em criança, deixava a água do banho e o contentamento com que observava o seu escurecer assim que os pés pretos entravam na banheira. Pintava orgulhosamente a água, contrariando assim a professora de Ciências da Natureza que ensinava aquela ideia peregrina de que “a água não tem cor”!…… Continue reading Pés pretos

Gravidez-pais-filhos · pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · Uncategorized

Dos Cuidados Intensivos Neonatais para os intermédios

(este post vem no seguimento deste Piso 8. Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais e deste Pari às 28 semanas) Síndrome do ninho vazio”, é assim designado o quadro vivenciado pelos pais quando os filhos saem de casa… E quando os pais, acabados de o ser, regressam a casa sem os filhos, acabados de nascer? Nem… Continue reading Dos Cuidados Intensivos Neonatais para os intermédios

Gravidez-pais-filhos · pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · Uncategorized

Pari às 28 semanas

Esta sou eu, grávida de gémeos de 26 semanas. Estava longe de imaginar, mas os gémeos nasceriam apenas uns dias depois. Sim, pari (“parir” é um termo médico, que não choque os mais sensíveis) às 28 semanas. (Para quem não fala “gravidez” ainda não tinha 7 meses). Hesitei muito antes de escrever este post. Uma… Continue reading Pari às 28 semanas

Escapadelas e experiências · pais e filhos · Pensamentos soltos · Psicologias · Relações humanas · só entre irmãos · Uncategorized

A casa só para mim!

A nossa casa nunca está vazia. Na nossa casa está a mãe, o pai e dois filhos que estão sempre juntos e tudo partilham: escola, brinquedos, refeições, brincadeiras, o quarto, tempo de pai e de mãe, zangas e gargalhadas. Se esta maravilhosa partilha permanente e incondicional é uma benção, às vezes (só às vezes) também… Continue reading A casa só para mim!

Pensamentos soltos · Relações humanas · Uncategorized

Quando é que param de perguntar: “Quando é que (…)?

Quem ainda não ouviu: “Quando é que (…)”? Se o flirt já dura há tempo suficiente para “a coisa” ter nome, vêm as vozes: Quando é que apresentas? Se já se deu o “meet the parents”, então: Quando  é que te casas?”… Os mais comedidos, lá evitam o advérbio e contornam a questão: “Então e… Continue reading Quando é que param de perguntar: “Quando é que (…)?